"Essas palavras que escrevo me protegem da completa loucura." Charles Bukowski

quarta-feira, agosto 10, 2011



Todo o amor que eu sufoquei por excesso de razão
agora grita, escapa, transborda.
Estou só numa multidão de amores,
assim como Dylan Thomas, assim como Maysa,
assim como milhões de pessoas;
assim como a multidão de amores está só, em si.
Demonstro minha fragilidade, meu desamparo.
Eu não procuro alguém pra pertencer e ter posse,
só quero uma fonte segura de amor que não dependa das obrigações,
das falas decoradas, dos scripts prontos.
Eu sei que eu abri mão de várias oportunidades.
Sei que fiz pouco caso do amor
que me entregaram de maneira pura e gratuita,
só porque eu achava que podia encontrar coisa melhor.
Se as pessoas estão sempre indo e vindo,
eu só queria alguém minimamente eterno em sua duração,
que me fizesse parar de achar normal
essa história de perder as pessoas pela vida.
Vou embora querendo alguém que me diga pra ficar.
Estou sempre de partida,
malas feitas, portas trancadas, chave em punho.
No fundo eu quero dizer:
"Me impede de ir. Fica parado na minha frente
e fala que eu tenho lugar por aqui,
que não preciso abandonar tudo cada vez que a solidão me derruba.
Me ajuda a levar a vida menos a sério,
porque é só vida, afinal."
E acabo calado,
porque não faz sentido dizer tudo isso
sem ter pra quem.


Verônica H.

Um comentário:

Alê disse...

Pq amor quando sufocado: uma hora explode,


Bjkas